Últimos assuntos
» Existe livre-arbítrio?
Ter Maio 27, 2014 9:28 am por Renato

» Forum Canal de HIstoria
Dom Fev 26, 2012 4:19 pm por Valisum

» Mudança nas atitudes dos encarregados de educação
Dom Nov 13, 2011 9:10 am por Renato

» Que é Deus? Ele existe? Como?
Sab Nov 12, 2011 7:33 am por Renato

» Darwin e a teoria da evolução
Seg Ago 15, 2011 8:06 pm por Varela

» Fórum Máscaras de Deus - Filosofia Oriental e Espiritualismo Prático
Seg Maio 23, 2011 3:59 am por Renato

» Alpha Centauri - Filosofia Oriental e Espiritualismo
Qui Abr 21, 2011 7:25 am por Renato

» Videos imperdiveis...
Sex Mar 11, 2011 1:06 pm por Renato

» Cartoons Engraçados
Dom Jan 30, 2011 9:18 pm por Renato

Partido Pelos Animais

Um Cronista a ter em conta !

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Um Cronista a ter em conta !

Mensagem  Filipe de Albuquerque em Dom Jun 28, 2009 3:56 pm

Para mim, uma das melhores referencias da cronica em Portugal...

"Mas há alguém sobre quem escrevi e que amo muito: Pessoa, esse grande poeta português, que era um fanático de Hamlet e de Shakespeare. Encontra-se nele uma melancolia minimalista: é a melancolia da gota de água que cai, indefinidamente, e que olhamos a cair. É a melancolia do intervalo, diferente da melancolia baudelairiana, mas também uma melancolia poética. É esta melancolia que impele Pessoa a escrever em várias línguas e a ter várias identidades. Reencontra-se assim o problema da pluralidade do Ego, mas na sua versão melancólica - sendo que o mais melancólico é Bernardo Soares, com o seu desassossego do ser. Lembro-me de ter descoberto Pessoa na sua língua: estava sentada junto ao Tejo e sonhava com o seu drama de alma, o seu amor pelas coisas de nada, o verso em que ele encontra Shakespeare ao dizer que não é ninguém, apenas uma sombra. Nesse sentido, é preciso 'acreditar no mundo como num malmequer' (Alberto Caeiro)... Dito de outra maneira, a melancolia é mais o desassossego do que o spleen: e este desassossego conduz a uma estética do artifício e da indiferença. Ser o amante visual de todas as coisas...

Shakespeare, Baudelaire, Benjamin, Pessoa: há toda uma filiação melancólica que realmente me fascinou e que caracteriza a modernidade ocidental. Esta travessia de mais de vinte anos foi-me necessária para chegar ao além da melancolia, graças a uma confrontação com as culturas da Ásia. Na estética pós-melancólica, o efémero é afirmado como positivo e inultrapassável. Ele é, ao mesmo tempo, intervalo ligeiro, aceitação da passagem e da precariedade e, sobretudo, da instabilidade ontológica da nossa finitude. Klee dizia: 'O devir é a nossa única eternidade.'"

Num livro-diálogo com François Soulage ("Une femme philosophe"), a que pertence esta passagem sobre Pessoa e a sua melancolia, Christine Buci-Glucksmann fala da sua filosofia e da sua vida. Ao longo de muitos anos, esta filósofa, antiga professora de Estética e de Arte Contemporânea da Universidade de Paris, tem escrito sobre alguns dos temas mais actuais da nossa cultura. Indo e vindo do cinema à literatura, da arte à tecnologia, da arquitectura à política, Christine pensou a razão barroca, a estética do efémero, a filosofia do ornamento (pondo em confronto o "Ornamento e Crime" de Alfred Loos e a afirmação de Henri Matisse de que "toda a arte é decorativa"), a passagem de uma cultura dos objectos e das permanências a uma cultura das 'imagens-fluxos'. E diz a este propósito "Verdadeiro signo da sociedade, o efémero tornou-se uma nova modalidade do tempo na época do virtual e da mundialização. Efémero das famílias de geometria variável, efémero do trabalho cada vez mais ameaçado, efémero das vidas e das identidades que perdem as suas referências fixas, tudo revela uma espécie de aceleração do tempo, que desenraíza as estabilidades, ocultando sempre o limite extremo do efémero: a morte."

Neste livro-síntese do seu pensamento, Christine fala daqueles que a vigiam e que ela vigia - Heraclito, Platão, Aristóteles, Shakespeare, Vermeer, Caravaggio, Mozart, Nietzsche, Marx, Pessoa, Freud, Klee, Benjamin, Hannah Arendt, Conrad, Borges, Foucault, Deleuze, Barthes, Derrida - e de muitos artistas contemporâneos. Fala das outras civilizações, sobretudo da japonesa. Fala de novos olhares e de novos alvos para eles. Lembra que, para Arendt, a política não é uma lógica de dominação, nem uma estratégia de poder, mas a construção de um espaço plural de comunicação de vozes e de sensibilidades.

Esta é uma filosofia que salta sobre os nossos velhos dualismos (o ser e o nada, a alma e o corpo, o consciente e o inconsciente, o tempo e a eternidade) e que assume o efémero, a imanência, o intervalo, a passagem, a impermanência, a instabilidade, a fluidez, a mudança, a metamorfose, a troca, a articulação, a bifurcação, a duplicação, a pluralidade, a multiplicidade, o movimento, a vaga, a heterogeneidade, a energia. Fazendo sua a tão bela síntese ética de Deleuze: "Estar à altura do que acontece" ("Être à la hauteur de ce qui arrive"), Christine diz: "Da sofística dos gregos, que valorizaram o momento oportuno (o kairos), à ocasião barroca ou à impermanência das culturas da Ásia, esta arte da passagem define uma filosofia e uma sabedoria da existência exposta à fragilidade, porque o efémero é sempre, para lá do trágico, promessa de leveza, de transparência e desse materialismo aéreo de que gostava Bachelard."

Só assim é possível darmos à melancolia o seu além.

lINK; http://aeiou.expresso.pt/efemero=f522189

Atentamente>FILIPE DE ALBUQUERQUE
avatar
Filipe de Albuquerque
Coordenador Principal
Coordenador Principal

Mensagens : 63
Data de inscrição : 25/06/2009
Idade : 43
Localização : Coimbra

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um Cronista a ter em conta !

Mensagem  Peregrino em Sab Jul 11, 2009 12:30 am

cheers Excelente!

Acho a efemeridade fundamental para o sentimento e a vida humana. Cria a saudade, a nostalgia, o sentimento de perda, a valorização, e a melancolia!

Talvez por isso que o ser humano insiste em afirmar que o amor é eterno, ele nega-se a acreditar que uma coisa tão bela e sublime termine.
avatar
Peregrino
Participante
Participante

Mensagens : 30
Data de inscrição : 27/06/2009
Localização : Latitude -23° 32’ e 51” ; Longitude -46° 38’ 10”

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum